Curiosa Democracia

Padrão

E quem disse que a utopia acabou? Se é ela, a responsável por configurar e ornamentar os palanques da hipocrisia?

Pensando bem, amigo leitor. Como vai nossa democracia?

– Utopia?

– Hipocrisia?

Talvez se tornaram aliadas para sustentarem o convincente argumento de certos governantes, que por alguns instantes ( período de campanha ) são os mocinhos e heróis- símbolos do Projeto de Salvação da Pátria, que aliás, tem nos sido muito ingrata!

Não, amigo leitor. Isso não é um jogo de rimas, mas sim, verdadeira indignação.

Sabe um desses dias, em que o tempo não está quente, nem frio? – Morno! Como a prática da solução para as necessidades de cidadãos como nós?

Deu pra imaginar?

Pois é! Foi em dia desses, recente, porém constante, que a palavra Democrático despertou em mim, uma curiosidade conflitante…

Parei no sinal.

Horário de pico. Muitos trabalhadores retornavam às suas casas,  para o tão almejado descanso. E eu, compunha aquele cenário de mãos, braços e mentes que constroem e nem sempre usufruem da construção.

Enquanto esperava , vi aquelas mãozinhas frágeis de uns doze anos de vida, pés descalços, rostinho fino, olhos fundos de quem não sabia muito o que tinha nas mãos, mas carregava a certeza de que era seu ganha-pão, ou quem sabe, os possíveis trocados que ajudariam a família a comprar o pão.

De certo, aquelas mãozinhas deveriam empunhar o lápis e a caneta, assim como aqueles olhinhos estarem voltados para os livros e outros encantos que o ambiente escolar tem a obrigação de proporcionar às nossas crianças e aos nossos adolescentes.

Curioso! O fato era curioso e tornava-se, a cada instante, mais curioso. Como os olhos curiosos e atentos à parada dos carros para não perder uma janela aberta( como se o tivessem treinado para tamanha agilidade nas pernas e mãos) para a empreitada de distribuir aqueles papéis a todos.

A rapidez do sinal cronometrava-lhe a quantidade de papéis a serem por ele entregues.

E, eu, ali!

Antes que chegasse até mim, eu já pensava no meu filho, nos filhos dos que também paravam naquele lugar e em tudo o que era privado àquele garoto, pela necessidade de cumprir aquela  obrigação a ele incumbida.

Curioso!

Ele se aproximou  do carro e entregou-me um jornal, como se o alívio se  aproximasse dele, pois pareceu-me ter a expressão de quem estava prestes a acabar o dia de trabalho.

Não houve tempo para questioná-lo sobre o produto que distribuía…

Mais intrigante era a pergunta que ainda não se calou em meu pensamento, diante daquela cena:

–            Será que o garoto sabia o significado daquilo que me entregara?

–          Curioso! Isso sim, amigo leitor, é muito curioso: um jornal denominado “O

Democrático”- deveras, não fosse  tão triste a realidade, seria cômica a cena.

O Democrático! Um jornal que, já à primeira vista, denomina a utopia ou a hipocrisia, talvez ambas, com as quais nomes se fazem, personalidades se impõem e, infelizmente, ainda endossa  a filosofia enganosa dos agentes democráticos que ilustravam as páginas coloridas que se distanciavam da realidade em preto e branco daquele nosso personagem-mirim que as entregava com admirável avidez.

Colocado no banco do carona, o meu agora novo passageiro- O Democrático_ aguçava a minha curiosidade, pois sempre ouvi dizer no sonho da Democracia.

Assim, durante todo o percurso, por seguidas vezes, olhei para ele na tentativa de absorver-lhe alguma alegria, ainda que fosse somente esperança vã.

Ao chegar à garagem de minha casa, não me contive. Peguei o Democrático na expectativa de encontrar a prática daquela tão sonhada, também por mim, amigo leitor: a democracia.

Curioso!!!

Agora, muito curioso era o que os meus olhos liam e com o que minha consciência, mesmo cansada do trabalho, se constrangia.

Mas vocês sabem… As palavras… É impressionante como elas podem ser facilmente manipuladas e muito mais, manipular.

Talvez, outros, que agora, se detivessem também diante do Democrático, já nem se lembrassem do exemplo de cidadania e democracia visto na figura do ” menino do sinal”.Também, aquele era só mais um menino sem nome, cujo rosto não era muito marcante mesmo.

Ainda dentro do carro, no jornal em minhas mãos, estavam as palavras-chaves, as palvras-mestras ou até mágicas em ano de eleição, intrigavam-me:

“Um novo tempo, a mesma dedicação.”

“… o partido que mais trabalhou pela cidade.”

“Programa…”

“Construção…”

“Ações sociais…”

“Projeto…”

“Trabalho e fé para mudar.”

Dentre outras, essas são algumas das posições das palavras que formavam, naquele papel, expressões intencionais, forjadas em informação.

Não soube, naquele instante como definir a palavra Fé, ali tão bem empregada. E como não tenho muita clareza , interroguei-me, na busca de uma resposta:

–          Fé?

–          Boa fé?

–          Aproveitar da boa fé de alguém?

–          Permitir-se acreditar em quê?

–          Tomar posse de uma crença que assim como eu, todo o povo, carrega?

Na verdade, não soube até então, com que fé a palavra foi articulada pelo Democrático.

Mas, de repente, algo me animou. Um fio de esperança  ressurgia através de uma nova chamada, que foi capaz de  causar-me  certa alegria. E mais…impulsivamente, eu refazia meus sonhos democráticos na leitura do título de um projeto de nível federal:

“Projeto Olho Vivo.”

Imaginei: – olho vivo? ôpa!

Gosto de gente de olho vivo, porque é gente que tudo vê, com tudo se preocupa, gente que sente que o olho é a janela da alma, como dizia o poeta.

Olho Vivo! Não, leitor! Não era olho gordo. O adjetivo era Vivo!!!

E lá estava o projeto: “instalação de câmeras de vídeo para coibir a ação de marginais e baixar os índices de violência na cidade.”

Não deu outra!!!

Lembrei-me do nosso personagem do sinal, tão vivo em minha memória e tão real aos nossos olhos.

É ali que se deve Olho Vivo.

Não naquele sinal ou naquela avenida, e sim, naquele menino e na educação de qualidade que lhe falta. Pois ela- a Educação de Qualidade- ela sim forma de cidadãos conscientes  e é a base para a dignidade dos mesmos, e sem dúvidas, é a melhor forma de coibir a violência.

Em vez de privar os cidadãos que andam por esses ares, por que não investir na sua verdadeira liberdade, torná-los ávidos à prática democrática com justiça, no lugar das ilusões, das utopias e de tanta hipocrisia?

Terminada aquela curiosa e conflitante leitura, amigo leitor, não pude fugir da verdade:

Eu estava prestes a subir as escadas, entrar em casa e abraçar saudosamente meu filho. Sendo assim, precipitei-me em encontrar a lixeira mais próxima e livrar-me de tudo o que li, pois eu sabia que o abraço que me aguardava era tão puro e que, ainda como aquele menino do sinal, nada sabe sobre democracia.

Porém, eu não perdi a esperança de que, um dia, meu filho possa viver a experiência, certamente maravilhosa, do verdadeiro valor Democrático.

Valéria Ferreira Duarte Guedes – 05/08/2006

Anúncios

»

  1. Amei os seus textos. É bom quando encontramos alguém que se atenta, se comove e que consegue enxergar a realidade além da que está nos jornais, na TV… Além da que vive. Em seus relatos identifiquei algumas atitudes e surpresas que o dia-a-dia na cidade meus olhos também veem. Coisas que talvez as pessoas não percebam, mas que observo com olhos atentos e que ao deitar no meu travesseiro a noite me fazem refletir e pensar em que espécie de mundo estamos, onde os valores monetários e financeiros ultrapassaram os valores humanos e morais. Amei seus textos, espero encontrar por aí pessoas como você, dispostas a olhar o mundo além da sua própria realidade, de enxergar o outro. Pessoas capazes de perguntar de indagar, de questionar, de não se conformar, de não aceitar. O mundo precisa de menos ‘conformismo’, não devemos deixar a nossa esperança de mudança morrer.

    • Oi Isa;
      obrigada por seu comentário. Tenho a certeza de que somente quando se tem sensibilidade para sentir o que outro vive e sente, juntamente ao desejo de mudança para que todos vivam com dignidade, é que se pode gostar de textos, como os que escrevo. Parabéns por seu olhar sensível à realidade.
      Que Deus te abençoe.
      Carinhosamente;
      Valéria Duarte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s