Arquivo da categoria: Redação

Como redigir um artigo de opinião.

Padrão

ARTIGO DE OPINIÃO   

                   

O artigo de opinião é um texto argumentativo, opinativo, de caráter persuasivo, o qual dá ao autor maior liberdade de expressão. É claro que o domínio do assunto abordado é imprescindível, além do respeito à linguagem foramal.

Contudo, é um texto em que se observa a presença de ironias, citações intertextuais, metáforas, provérbios e explicações diversas sobre o ponto de vista do autor em relação ao tema proposto.

É importante lembrar sempre que a estrutura INTRODUÇÃO; DESENVOLVIMENTO E CONCLUSÃO deve ser obedecida. Para isso, criei algumas sugestões para orientar meus alunos a produzirem o artigo de opinião de forma coerente, sem fugirem do tema. Vejam a seguir.

Para a INTRODUÇÂO, (em cinco a sete linhas) podem escolher a abordagem, apresentação do assunto através de:

a) questionamentos(considerando que todos deverão ser respondidos pelo autor, ao longo do texto)

b) alusão histórica

c) comparação entre passado, presente e perspectiva para situações futuras

d) relatos de fatos relacionados ao assunto e posicionamento do autor sobre eles

e) citação de um provérbio, dito popular ou pensamento filosófico conhecido relacionados ao assunto e apresentar a explicação para eles

f) dados estatísticos

g) declaração sobre o assunto

h) definição do assunto e posicionamento a respeito dela

Quanto ao DESENVOLVIMENTO,  (em três parágrafos, com mais ou menos quinze linhas) sugiro que, ao argumentar sobre o assunto, visto que o artigo de opinião é um texto de caráter persuasivo, os alunos apresentem sobre o assunto abordado na introdução:

a) causas e consequências para a situação-problema abordada na introdução

b) exemplos que ilustrem o assunto

c) comparações

d) justificativas

e) citações

Já no DESFECHO (em cinco a sete linhas)de um artigo de opinião, o ideal é elaborar a chamada CONCLUSÃO-PROPOSTA através de:

a) apresentação de soluções para a situação-problema ou sugestões para melhorias ou conservação do que, ao longo do texto, o autor definiu como fatores positivos sobre o assunto. O ideal é que o artigo de opinião denote as perspectivas do seu autor em relação ao tema abordado.

Abraços fraternos;

Professora Valéria Duarte Guedes

Anúncios

Novos temas de redação

Padrão

Homofobia: covardia e vergonha nacional.

Texto 1 

 Jovens, covardes e homofóbicos (Revista Isto É – Edição: 2141)

Quem são os acusados de espancar quatro rapazes na capital paulista só porque achavam que eles fossem gays
Bruna Cavalcanti e Solange Azevedo

VIOLÊNCIA
Betonio foi agredido por jovens de classe média. Câmeras
de segurança gravaram o ataque.  Soraia, mãe de um deles, reclamou de uma das vítimas por ter feito BO

Tudo não passou de uma briga boba.” Foi assim que a publicitária Soraia Costa, 37 anos, classificou a série de espancamentos protagonizada pelo seu filho – de 16 anos – e mais quatro amigos. Todos estudantes de classe média, baladeiros e com histórico de rebeldia. Uma das vítimas foi Luis Alberto Betonio. Ele saía de uma delegacia na região central de São Paulo – com o rosto todo inchado, cheio de curativos e uma porção de hematomas pelo corpo – quando foi abordado por Soraia. Era domingo 14. De maneira autoritária, a publicitária reprimiu a atitude do rapaz. “Você não precisava ter feito um boletim de ocorrência.”

Soraia é bonita, moradora de um bairro nobre da capital e cultiva um estilo autoconfiante. Betonio leva uma vida bem mais modesta. Tem 23 anos, estuda numa universidade popular e reside em Parelheiros, uma das áreas mais pobres da cidade. “Fiquei tão indignado que não consegui responder”, contou Betonio à ISTOÉ. O pai de um dos agressores ainda reclamou com o delegado: “O senhor não é médico. Como pode autuar meu filho em flagrante alegando que ele causou uma lesão corporal gravíssima?”

Os cinco adolescentes, quatro deles menores de idade, passaram pouco mais de 24 horas detidos. Atrás das grades, choraram. “A carceragem é para chorar mesmo. Ainda mais para quem está acostumado com papai e mamãe sempre socorrendo”, disse o delegado Renato Felisoni, que investiga o caso. “Eles chamaram as vítimas de ‘bichas’ e as espancaram porque achavam que fossem homossexuais.” Além de Betonio, o grupo é acusado de atacar outros três rapazes. Um lavador de carros e dois jovens que esperavam por um táxi na avenida Paulista. “Não sou gay, mas um amigo que estava comigo é”, conta Betonio. “Eu tinha acabado de sair de uma lanchonete. Percebi esses jovens vindo no sentido contrário ao meu. Estavam bem vestidos, pareciam pessoas normais.” Logo que passou pelo bando, o universitário foi surpreendido com golpes na cabeça. Jonathan Domingues, 19 anos, o atacou com duas compridas lâmpadas fluorescentes. “Os outros quatro adolescentes assistiam a tudo dando risadas”, lembra a vítima. A pancadaria começou em seguida.

Apesar de os pais dos agressores alegarem que eles são “bons meninos” e que nunca se envolveram em grandes confusões, amigos relatam que não é bem assim. O filho de Soraia passou por várias escolas de São Paulo e, por mais de uma vez, acabou expulso. Desde o início deste ano, é aluno do Colégio Avanço, na zona sul da cidade. “Ele já foi retirado da sala algumas vezes por causa de indisciplina. Costuma ficar rindo das professoras e jogando bolinhas de papel”, revela uma colega. Depois das agressões, ele continua frequentando as aulas normalmente. Amigos próximos têm se divertido com o garoto dizendo que, se acontecer alguma briga, irão chamá-lo para participar. O adolescente vive com a mãe. Ele é filho de Carlos Massetti, acusado pela polícia italiana de ter ligações com a máfia siciliana, e neto de Gaetano Badalamenti. Conhecido como Dom Tano, Badalamenti morreu em 2004, numa prisão americana, onde cumpria pena por assassinatos e tráfico de drogas. Procurada por ISTOÉ, Soraia negou que seu ex-marido tenha dívidas com a Justiça. “Não temos mais nada para falar. Estamos todos bem”, disse. Jonathan, o mais velho do grupo, é praticante de artes marciais e também teve problemas na escola. “No ano passado, o pai queria mandá-lo para Curitiba, para a casa de uma irmã”, afirma o instrutor Reinaldo Dutra, proprietário de uma academia de jiu-jítsu na zona sul de São Paulo. “Ele foi aluno durante uns seis meses e já não aparecia havia algum tempo. Não parecia brigão. Mas ouvi dizer que costumava beber quando ia para as baladas.” Jonathan mora com o pai e um irmão num confortável apartamento numa área nobre de São Paulo. Perto dali, vivem os outros três agressores. Um deles, também adepto do jiu-jítsu e de muay-thai. O garoto, de 16 anos, que reside com a mãe, passou a se apresentar na rede social Orkut como “o moleque doido da avenida” assim que foi libertado da Fundação Casa (ex-Febem).

Homofobia de farda

Mais um caso chocante de homofobia abalou a reputação do Rio de Janeiro, cidade eleita o melhor destino gay do mundo por um site e um canal de tevê internacionais. Um dos mais bonitos cartões-postais da cidade, o Arpoador, na orla de Ipanema, foi palco da cena ocorrida no domingo 14, quando um grupo de 20 jovens homossexuais que tinha participado, pouco antes, da passeata do Orgulho Gay estava reunido no local e foi abordado pelos sargentos Ivanildo Ulisses Gervásio e Jonathan Fernandes da Silva. Armados e trajando fardas camufladas, os militares insultaram e expulsaram o grupo. O estudante Douglas Igor Marques, 19 anos, ousou questionar a truculência e, em resposta, foi baleado na barriga. Por sorte, o tiro pegou de raspão. “A motivação foi homofóbica”, afirmou o delegado Fernando Veloso, da Delegacia do Leblon, que autuou os sargentos por tentativa de homicídio duplamente qualificada (motivo torpe e sem dar chance de defesa à vítima). “O cara me empurrou no chão, falou que eu era uma vergonha para a minha família, e atirou”, contou Douglas. Os agressores estão presos preventivamente e podem ser expulsos da instituição.

O Estado do Rio foi o primeiro a criar um programa de combate à homofobia, seguindo os passos do governo federal. Nos últimos 12 meses, o “Rio sem Homofobia” registrou 600 denúncias de agressão contra homossexuais — recebidas tanto por um disque-cidadania gay como por registros policiais. “Somos o primeiro Estado a incluir a homofobia como possível motivo de crime nos boletins de ocorrência. Em janeiro do ano que vem, pretendemos inaugurar um núcleo de monitoramento de crimes homofóbicos”, explicou Cláudio Nascimento, presidente do Conselho Estadual dos Direitos da População LGBT do Rio.
Adriana Prado e Wilson Aquino

Revista Isto é


Texto 2

O Princípio da Igualdade, presente explicitamente no caput do artigo 5º da Constituição da República Federativa do Brasil:

Todos somos iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza, garantindo – se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade, (…)”,

Texto 3

Sermão de Santo Antônio aos Peixes, do qual foi transcrito o fragmento abaixo, da parte IV.

“A primeira coisa que me desedifica, peixes, de vós, é que vos comeis uns aos outros. Grande

escândalo é este, mas a circunstância o faz ainda maior. Não só vos comeis uns aos outros, senão que

os grandes comem os pequenos. Se fora pelo contrário era menos mal. Se os pequenos comeram os

grandes, bastara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não

bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande. (…)

Os homens, com suas más e perversas cobiças, vêm a ser como os peixes que se comem uns

aos outros. Tão alheia coisa é não só da razão, mas da mesma natureza, que sendo todos criados no mesmo elemento, todos cidadãos da mesma pátria, e todos finalmente irmãos, vivais de vos comer.

(Padre Antônio Vieira)

Texto 4

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira,

 que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”

João 3:16

Atividade proposta

Redija uma carta de leitor de 20 a 25 linhas à edição da Revista Isto é, apresentando a sua posição sobre a homofobia no Brasil e o programa de combate a ela, criado no Rio de Janeiro “Rio sem Homofobia.” Relacione o conteúdo de sua carta aos textos 2, 3 e 4 explicitando se o seu ponto de vista está ou não em conformidade com eles.

“Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus.”

Carinhosamente;

Valéria Duarte Guedes

 

Temas de redação para o vestibular 2012 e 2013

Padrão

Abaixo, alguns temas que poderão ser abordados nas provas dos Processos Seletivos (Vestibulares e ENEM) 2012/2013.

Participação Política: um ato de cidadania

Código Florestal Brasileiro

Respeito à diversidade: fimda homofobia.

Imagem: o mundo por imagens( Ter x Ser)

 *Oriente Médio: o princípio de uma nova era.

* 2011: Ano Internacional das florestas.

*Educação: a base para a justiça social.

* Homofobia: violência contra os direitos humanos.

*Legalização da maconha: este é o caminho?

*Inclusão social

*Igualdade de gênero

*O jovem e a democracia. 

* Juventude e responsabilidade social: é assim que se faz um Brasil para todos.

*Os benefícios da prática esportiva para o indivíduo e para a sociedade.

        * Em que mundo você quer viver? (Considere os impactos ambientais e o comportamento humano diante do meio ambiente)

        * Os desastres naturais no Brasil: acidentes ou a natureza em resposta ao homem?

       *A ditadura no Brasil. Por que os crimes ainda não foram punidos?

      *Juventude: tempo de mudanças e tempo de mudar.(Quais as perspectivas políticas e sociais da juventude nacional?)

              *Inclusão digital: um direito de todo brasileiro.
             * O trabalho escravo no Brasil: uma realidade intrigante.
 
  • Pulseira do sexo.
  • Bulling: um ato de violência e preconceito.
  • Bioética
  • Problemas na camada de ozônio (Um tema atual que vem trazendo muitos impactos ao planeta e ao nosso DNA)
  • Imprensa x democracia.
  • Brasil da copa e Brasil na copa do mundo.
  • Pré-sal x sustentabilidade.
  • O paradoxo entre a imagem externa do Brasil e os problemas sociais enfrentados em nível interno.
  • A pedofilia na Igreja Católica.
  • As tragédias naturais.
  • A violência urbana.
  • O voto: exercício de cidadania.
  • Fontes limpas de energia. Como?
  • Ficha limpa.
  • Craque no Brasil.
  • Política e responsabilidade social.
  • Educação: princípio para a igualdade social.
  • Ditadura militar no Brasil: um período do qual o brasilerio deve se envergonhar. Até quando irá a impunidade?
  • Crack, droga cinco vezes mais potente que a cocaína:  o vilão que assola a juventude brasileira.